Sentimentos que me dizem. Pensamentos que me calam.

 

Eu que sempre me considerei um cara muito racional, não poucas vezes me vi traído pelos sentimentos e impulsionado por alguma paixão (no sentido romântico e no sentido meramente passional, ou seja, motivacional também) a tomar alguma atitude da qual me arrependi ou pelo menos, DEVERIA ter me arrependido. Sempre imaginei que o que poderia me dizer as respostas para as minhas dúvidas e meus questionamentos seriam meus pensamentos. É o nosso jeito ocidental de resolver as coisas: pensar, pensar, pensar…Talvez por alguma influência italiana no sangue, os sentimentos, os impulsos, a cólera também sempre tiveram seu espaço no modo de agir deste carcamano rechonchudo que vos fala.

Ao contrário de nossos grandes pensadores, os sábios orientais partem de outro pressuposto, a saber, a memória. Quando você e eu temos problemas, tendemos a pensar; quando um oriental tem alguma dificuldade, ele tende a se lembrar. Não à toa, o profeta bíblico disse: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança”. Ao invés de quebrarem a cabeça pensando em soluções, eles recorrem aos grandes feitos divinos do passado, os livrando e socorrendo e isso lhes alimenta a fé de que, como foi no passado, assim será novamente.

E aí, somos apunhalados bem nas costas pelos nossos pensamentos! Nossa consciência que nos faz calar os sentimentos mais profundos, pelo que o ego afirma ser inadequado de transparecer. Calamos “a boca” de desejos e verdades profundas de nosso coração em favor de convenções de nossa consciência ou coisa que valha.

Ultimamente não ando procurando e muito menos, oferecendo respostas. Antes, acho mais válido fazer as perguntas. Dizem que é isso que um bom pesquisador faz: perguntas. Respostas às vezes acontecem, às vezes não. Mas aí as perguntas ficam pra futuros pesquisadores.  Se fôssemos pesquisar o nosso interior e o mistério profundo dos nossos sentimentos e da nossa consciência ou do nosso inconsciente, muitas perguntas ficariam sem respostas mesmo, então, por que se afligir por pensamentos?

E aí fica com você dar a resposta (se você puder decidir isso!) sobre quem vai ouvir : seus pensamentos, sua consciência, seus sentimentos, sua inconsciência, seus instintos. Eu prefiro não responder. E perguntar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s