As várias faces do universo feminino

No último domingo, 08 de março, celebramos mais um Dia Internacional do Mulher, e como sou a dama da Mesa e a historiadora de plantão é lugar comum nesta semana falar sobre o tema. Contudo vou tentar abordar a questão saindo do lugar comum. Neste dia procuramos sempre lembrar dos processos históricos que permitiram a nós mulheres a inserção no mercado de trabalho, nas eleições, e tantas outras coisas. Em contraponto a isso temos também a visão da mulher que cuida da casa, dos filhos, do esposo, e das que mesclam ambas as imagens. Todavia há em nós ainda uma outra característica, talvez muitas vezes esquecida ou explorada ou ainda por preconceito pouco falada que é a mulher apaixonada. Já reparou como a maioria absoluta dos romances são escritos por homens ainda nos nossos dias? Parece que no universo mercado de trabalho e maternal não cabe a mulher que ama seu parceiro. Que é absorvida pelo mais sublime dos sentimentos, que é, segundo a divisão grega de amor, o amor eros.
Como é bom estar apaixonada, amar e ser amada, viver do amor platônico, do amor idealizado, do amor realizado, do amor que nos é dado seja pelo príncipe, seja pelo pirata, ou ainda pelo bobo da corte, e porque não falar apenas do amor que busca o prazer. Nossos corpos são explorados das mais diversas formas em anúncios publicitários, contudo os dos homens ainda é protegido. Até nossas bonecas e bonecos infantis podem expor o corpo feminino com ele é, mas o masculino…. Observe a diferença de representação corpo real da Barbie e do Ken.
O direito de se apaixonar e descrever os desvaneio dessa paixão ainda nós é sutilmente podado, e as escritoras que ousam fazer isso recebem duras críticas inclusive de outras tantas mulheres. Podemos ser tantas coisas nessa sociedade pós-moderna contudo ainda não podemos ser apaixonadas, essa imagem ainda não pega bem, não combina com a visão imaculada de mãe. É claro que eu poderia aqui escrever linhas e mais linhas sobre isso mas certamente muitos e muitas que sentam nessa Mesa comigo toda as semanas ficariam escandalizados e diriam: “ Nossa como a Flávia anda depravada”. E por isso que trago à tona nessas poucas palavras do Café de hoje alguns elementos para nossa reflexão, ela só é um pontapé bem inicial mesmo para você pensar e repensar o direito de ser mulher que trabalha, que vota, que é mãe mas que também se apaixona e tem seus desejos. Que possamos a cada 08 de março rever práticas e aumentar nossos direitos plenos na sociedade.

Anúncios

Dizem que a mulher é o sexo frágil…

…mas que mentira absurda! Assim cantava Erasmo Carlos. Tudo bem, o resto da canção pode ser até bem machista, como era de se esperar natural na década em que esta música foi composta; mas só pelo fato de cantar exaltando a sabedoria e a força feminina; o amigo do Rei já ganhou uns bons pontinhos. E certamente, um cafuné em casa.

Pra nós, pobres e indefesos homens, é e sempre será muito difícil falar desses seres superiores sem parecer machistas ou sem cometer uma ou duas gafes politicamente incorretas. O jeito é desistir. Não tentar entender muito os mistérios dessas almas tão profundamente misteriosas e doces e simplesmente babar, admirar e elogiar o novo corte de cabelo quando ela chegar perguntando se você não notou algo diferente.

A verdade é que, foi-se o tempo em que os homens podiam garantir a soberania do lar arrastando a caça nos braços e se vangloriando por sermos os provedores familiares. Tempos em que confiávamos em nossa força e tínhamos aquelas certezas absolutas que cercavam a nossa macheza de empáfia e soberba! Bem que ainda tentamos, mais tarde, manter o status quo com nossos carrões no trânsito da cidade.

Hoje, as mulheres não só compram seus próprios carrões, como ainda dirigem, ao contrário das piadinhas, com muito mais destreza. Prova disso é: quem não sabe que os carros delas valem mais, justamente por estarem melhor conservados, na maioria dos casos de venda ?

E a nós, restou ficarmos meio apavorados e amedrontados feito meninos, com a força delas. Afinal, já disse outra canção, dessa vez do Leoni: “garotos, como eu, sempre tão espertos, perto de uma mulher, são só garotos”.

Parabéns a estas que nos levam sempre onde querem por mais este Dia Internacional da Mulher!

Tanto faz, é igual.

Datas comemorativas sempre geram muitas polêmicas. Tem aqueles que acham importante celebrar, tem outros tantos que acham que não, e horas de discussões se vão. E talvez uma das datas comemorativas mais polêmicas seja o Dia Internacional da Mulher. Reparou nas mais diversas manifestações sobre a data que você teve aí nas suas timelines das mídias sociais no último sábado?? rs. Como boa historiadora que sou eu gosto de datas comemorativas, contudo a celebração do Dia Internacional da Mulher revela que ainda há algo errado em nossa sociedade, pois se nós mulheres fossemos devidamente respeitadas a data já não se faria necessária.

Começamos sempre a fazer um discurso sobre o preconceito de gênero e coisa e tal, mas nos esquecemos que na maioria das vezes somos nós mesmas que fomentamos as diferenças. E eu nem preciso de muito esforço para pensar o quanto fazemos isso diariamente, pois ao mandarmos nossas filhas lavarem a louça, fazerem comida e cuidar da casa enquanto mandamos nossos filhos no máximo cuidar do quintal e levar o carro. Ou ainda quando damos carrinhos e bola para nossos filhos e bonecas para as nossas filhas. Pequenos atos, que na verdade acabam revelando a segregação nossa de cada dia.

A humanidade foi criando tanto mais tanto preconceito social de gênero que foi se perdendo um aspecto interessante disso, que são apenas os detalhes biológicos que nos fazem diferentes. Nós mulheres podemos fazer tudo que um homem faz, contudo um homem não é capaz de fazer apenas o que nós podemos fazer carregar dento do ventre nossa prole. O resto é tudo construção social. E como toda a construção social, isso pode ser mudado, e estamos fazendo isso desde muito tempo, já avançamos em muitos aspectos, contundo enquanto houver mulheres que apanham dos seus esposos, mulheres privadas de prazer, mulheres privadas do acesso a educação, ganhando menos e tantas outras coisas que eu poderia listar aqui ainda temos muito o que transformar.

Todavia o mundo perfeito não é aquele que nós mulheres podemos nos julgar melhores que os homens, isso não é igualdade. O mundo perfeito é aquele que homens e mulheres caminham juntos se completando mutuamente, numa dupla dependência. Onde os Cafés são um dia feito pelo homem e outro pela mulher. O dia que a humanidade chegar nesse patamar a vida vai ficar muito mais feliz.

“Uma mulher sem um homem é como um peixe sem uma bicicleta.” *

Nesta última semana, na verdade, no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, diga-se de passagem, e menciono por ser relevante para o tema;  fui estarrecido com duas notícias envolvendo mulheres: a primeira, mostrava o escândalo que uma senhora de 71 anos (rica e famosa, mas uma senhora) causou ao postar numa rede social uma foto sem maquiagem. Fãs “elogiando, dizendo que continuava “linda apesar de…” e outros, mais agressivos a chamando de “múmia”, etc. A senhora em questão é a atriz Susana Vieira, que a despeito de seus 71 anos, ainda permanece viva e com saúde, obrigado, mesmo depois de postar essa tal foto sem maquiagem.

A segunda notícia foi de uma jovem sul coreana de 29 anos que cometeu suicídio após ser rejeitada por 3 homens num reality show que pretende arrumar casais. A dita cuja foi encontrada no quarto do hotel enforcada no fio do secador de cabelos. A emissora se desculpou em rede nacional, não exibiu o episódio da semana, mas se ausentou de qualquer culpa pelo ocorrido. Os 3 galãs que rejeitaram a moça, foram tentar conquistar outra, no mesmo programa, ainda.

Ler notícias como  essas me preocupam um pouco sobre o que estamos fazendo de errado.  A ditadura da beleza, da estética perfeita e também de uma “pseudo” felicidade conjugal pra todos, oprimem uma pessoa ao ponto extremo da morte.  No primeiro caso, não se pensou que se trata, já disse, de uma senhora de 71 anos, mas exige-se dela que seja impecavelmente linda como nem que ela quisesse, poderia ser mais, nessa idade. Vamos pensar nas nossas avós quando chegaram, se chegaram, aos 70 ? Levando em conta as diferenças financeiras, claro…

Mas o segundo caso é ainda mais grave. Quem disse a essa jovem que ela não poderia ser mais feliz a menos que estivesse em um relacionamento com um homem? (só pra constar, foi essa frase que ela deixou em seu bilhete de despedida: “Não posso mais ser feliz!”). Quem ensinou a essa criatura que a felicidade dela depende exclusivamente de uma área de sua vida e uma área tão frágil ? Quem mentiu pra ela de que ela tinha que ser aceita e entrar numa roda da fortuna e ser a feliz escolhida de 3 (perdoem a expressão) babacas que pensam que são tão bons assim?

Ainda vemos uma cultura estúpida como essa reinando em nosso mundo.  Ainda existem pessoas mesquinhas que acreditam que a estética e o que uma pessoa aparenta defina o que ela de fato, seja. Ainda existem pessoas medíocres que acham que a felicidade está diretamente atrelada a um relacionamento conjugal e que pessoas solteiras são, de alguma forma, fatalmente infelizes ou mais “perigosas” porque estão livres e podem dar em cima de todo mundo. Como se pessoas casadas e infelizes não representassem perigos iguais ou ainda maiores nesses quesitos…

Me perdoem os machistas de plantão, não sou feminista e nem quero comprar brigas, mas será mesmo justo que uma senhora, seja ela famosa ou não, não possa encarar seus fios brancos e rugas com a dignidade de quem venceu na vida e alcançou a longevidade? Será justo uma jovem que poderia ser bem sucedida no trabalho e em tantas outras áreas de sua vida, precise se matar por achar que depende de um parceiro amoroso pra ser feliz ? Será que essa é uma causa feminista ou humanitária? Como disse uma amiga minha, mais ou menos, um ano atrás: não precisamos ser feministas, precisamos ser justos.

*O título de hoje é a frase de uma célebre jornalista (Gloria Steinem) dos EUA que ficou famosa por seu engajamento feminista e sua atuação como palestrante e escritora na década de 60.

E Deus criou a poesia e viu que era muito bom!

E Deus criou a beleza, a pureza e o perfume!
E o homem, que não sabia nada de poesia até então, teve medo.
Por isso, sem saber como se comportar, o que falar e onde colocar as mãos,
Pediu desculpas por se coçar o tempo todo, mas de nervoso, fez o que sempre faz
Quando precisa se defender: usou a força!
Obrigou, escravizou, oprimiu e reprimiu a que era melhor, mais cheirosa e bela do que ele e
Assim foi vivendo por muitos anos: fingindo uma força que não tem pra se manter no poder.
Inseguro porque, como o pequeno príncipe do livro, precisaria aprender a lidar com aquela rosa, mas era mais fácil, se impor de qualquer jeito mesmo.
Deus viu e não gostou! Foi quando, do alto de Seu Poder, inspirou sua linda criação e a encorajou pra ser o que foi criada pra ser: forte!
Então, com toda a sua graça e suavidade, ela resolveu mostrar quem mandava! Com uma sabedoria divina, brigando e até fazendo biquinho, sem abrir mão de sua identidade, ela tomou o controle da situação definitivamente!
E o homem? Como sempre bobo, se rendeu sorrindo…

Minha homenagem singela a essas que nos fazem ser o melhor que podemos! Feliz Dia Internacional da Mulher!

“Não quero flores, quero respeito!”

A propósito do dia internacional da mulher que se aproxima (dia 08 de março), fui estimulada a refletir sobre o tema. Me agrego àquelas/es que insistem em resistir ao tratamento diminuto que, em geral, se dá a luta pelos direitos da mulher.

É bem verdade que, nunca, em toda história da humanidade, a mulher alcançou o patamar em que se encontra hoje, com avanços políticos e civis significativos. Entretanto, ainda há “muito caminho a se percorrer”.

Na esfera da religião, esse caminho tem sido ainda mais árduo, como bem sabemos. Dizer que é feminista é se entregar à morte, na maioria das vezes. Quanto a mim, tenho uma resposta pronta. Ao ser perguntada se sou feminista respondo: sou cristã, e explico: Cristo é justo e eu busco a justiça.

Ser tida como incapaz de assumir papéis e desenvolver tarefas ou como um ser com inteligência menor só pelo fato de ser mulher é, no mínimo, uma injustiça!

O próprio apóstolo Paulo, tanto citado para subjulgar as mulheres, legitimou a escravidão e nem por isso concordamos mais com o fato de outro ser humano ser escravizado. Por outro lado, o mesmo Paulo também diz: “Dessaarte, não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.” (Gl. 3:28). Na verdade, nós escolhemos o que defender. Eu prefiro esse Paulo.

Entretanto, tenho consciência de que faço parte de uma cultura em transformação e que esse processo é lento. Minha contribuição, portanto, deve, acima de tudo, respeitar o ponto de vista da/o outra/o.

De qualquer forma, fica registrado aqui o meu protesto. Gosto de ganhar presentes, como todo ser humano, inclusive flores. Mas especialmente nesse dia, gostaria de ganhar respeito!